Amor após os 30



O amor pra mim após os trinta anos é mais que uma foto nas redes sociais ou a quantidade de curtidas que ela tem. É não ligar para ver a queima de fogos do final de ano se não está vestindo roupa cara. É estourar a rolha antes do tempo e cair na gargalhada.

O amor pra mim significa a atenção nos detalhes, o olhar tímido mais contemplador, é a dedicação em observar o ser amado admirando-o num mundo paralelo ao seu, longe da pirotecnia da paixão que rouba a cena. É também o constante medo daquilo ser maior do que se pode lidar. É ser desafiado a pensar e crescer.


O amor pra mim, é observar a respiração quando o amado dorme doente, medindo sua temperatura sem acordá-lo. Zelando pela segurança dele para que nada aconteça. É querer que ele tenha um futuro brilhante e digno. É planejar uma viagem de férias e contar os dias para descobrir um lugar inédito juntos e ver a cara de felicidade dele. É dormir abraçado e querer que o tempo pare, mesmo que seja naquela noite de verão que esquenta e faz suar.

O amor pra mim, é sair molhado após o banho, ser enxugado e ainda tomar bronca. É ter medo de sentar nas primeiras cadeiras da montanha russa, mas fazer cara de corajoso para impressionar e mostrar confiança. Fingir mais dor que o normal para ter aquela atenção e carinho inesperado. É ficar preocupado se o amado está feliz e bem. É beber champagne em plena segunda-feira vendo a série favorita. É não saber o que dar de presente porque o que você quer comprar não se vende, simplesmente não é precificado.


O amor pra mim, é incentivar a liberdade e o conhecimento, é comprar a briga por aquele que se ama, é se irritar por ele não conseguir ver um caminho bom a sua frente. O amor pra mim é o companheirismo, é a proteção, é comer hambúrguer e açaí no mesmo dia. É ter medo que aquilo acabe. É permitir ser invadido, ser controlado, é fazer amor olhando nos olhos. É quebrar a seriedade com um sorriso bobo.


Amor para mim é ver TV no sábado a noite, é não ficar nervoso sem necessidade de assunto, porque a companhia basta. O amor pra mim é a saudade leve e discreta é o sorriso sublime do reencontro. É abraçar o amado durante a noite, no frio e deixar o edredom só para ele. É também dizer calma, estou aqui, tudo vai ficar bem. É não precisar ficar dizendo eu te amo em vão, porque as atitudes já falam por si só.


Enfim, amor pra mim não deveria saber dizer adeus, não ter desafios maiores que causam a saudade que dói e não deixa os olhos cheios de água esperando apenas uma piscada para escorrer rios.

3 visualizações
  • Facebook
  • Instagram

©2020 por Mentiras Sobre O Travesseiro.